Curso para Catequistas da Catequese Especial

Curso para Catequistas da Catequese Especial

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

5º Seminário Arquidiocesano da Pastoral da Pessoa com Deficiência

02 de dezembro – 14h
Rua Benjamin Constant – 23 – 2º andar – Metrô Glória
Convidados: toda pessoa com alguma deficiência, seus familiares e amigos!

Programação

14:00 – Acolhimento/Crachás
14:15 – Abertura e apresentação dos presentes
14:30 – 1ª reflexão: “Como é bom conviver com os irmãos” (Nice Freitas Seabra de Mello e Terezinha Lúcia da Silva – membros do Movimento Ecumênico Fraternidade Cristã da PCD)
15:15 – Testemunhos de vida – Partilha das vivências dos presentes
15:40 – 2ª reflexão: “Desafios de viver diferente nas metrópoles – conversão de ideias e de atitudes”: Dra. Déborah Prates – advogada (cega), membro da IAB (Instituto dos Advogados Brasileiros) e autora do livro “Acessibilidade Atitudinal em 2015”.
16:30 – Discussão dos presentes e propostas concretas
17:00 – Celebração Eucarística – Pe. Vicente Freitas da Silva
18:00 – Ceia de Natal (Lanche partilhado)
19:25 – Despedida e encerramento

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Meu corpo, minhas regras! Será?

Padre Antônio José Afonso da Costa
Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Fátima Rainha de Todos os Santos

Você deve ter ouvido muitas vezes ao longo das últimas semanas que “se sou dono do meu corpo, faço com ele o que quiser; meu corpo, minhas regras!”. Mais ainda, esse “evangelho” da liberdade tem sido apresentado como algo tão óbvio, tão “natural”, que, se não é capaz de abraçá-lo imediatamente, há um diagnóstico: você é doente de preconceito!
Mas, pensando bem, qual é a lógica que está por trás desse tipo de afirmação? Até onde ela pode nos levar? É preciso colocar um ponto de interrogação nas frases que ouvimos serem ditas de forma tão contundente, para percebermos um tipo de raciocínio que Bento XVI denunciou como “ditadura do relativismo”. Afinal, será mesmo que “meu corpo, minhas regras”?
Em primeiro lugar, é preciso questionar até que ponto podemos transformar nosso corpo num objeto de uso ou de caprichos, como se ele não se identificasse conosco. Quando afirmo “meu corpo, minhas regras”, estou assumindo que minhas ideias, ou melhor, minhas vontades, podem transformar meu corpo de tal maneira, que ele se torna apenas a expressão de minha ‘onipotência’. O problema é que meu corpo não é apenas objeto de minhas escolhas; ele também me impõe limites, me identifica como pessoa, me situa num tempo e espaço determinados. Ou seja, não sou tanto eu que imponho regras ao meu corpo, como se ele fosse algo que tenho nas mãos (estranho isso, não?!), mas é ele que me dá um ponto de partida e me faz lembrar que não sou onipotente, alguém independente de limites. É interessante que, se usássemos até o fim a lógica do “meu corpo, minhas regras”, isso nos levaria a absurdos. Um exemplo? Quando nos machucamos ou sentimos dor, não nos passa pela cabeça dizer: “meu corpo está doente”. Dizemos simplesmente: “eu estou doente”. Identificamos a doença ou a dor com algo que coloca limites não simplesmente ao nosso corpo, como se ele fosse um pedaço de nós, do qual podemos prescindir, mas a nós por inteiro. Na lógica do onipotente: “meu corpo, minhas regras”, o mais acertado seria dizer: “meu corpo está doente”. Continuar nesse raciocínio, contudo, seria mais difícil. Afinal, alguém poderia dizer: “ora, então dê um jeito nele e pronto!”.
Além disso, é preciso lembrar que o corpo é o “lugar” onde nos encontramos uns com os outros. Nossa convivência social se dá justamente através de nossa corporalidade. O direito, que garante a justa convivência entre as pessoas, se baseia sobre a “materialidade dos fatos”, ou seja, sobre nossa corporalidade. Isso significa que, para que haja justiça, deve haver regras comuns a todos, capazes de ser compreendidas e vividas por todos, a fim de que a convivência em sociedade seja possível. Regras são sempre algo capaz de ser compartilhado por muitas pessoas. É assim num jogo de futebol, por exemplo. Se alguém resolve fazer um gol com a mão, não poderá dizer simplesmente: “minha bola, minhas regras!”.  Nesse caso, não temos regras, mas apenas procedimentos individuais, caprichos ou qualquer outra coisa do gênero. Ora, sugerir que regras são apenas a expressão da vontade daqueles que as definem é o primeiro passo numa de duas direções: ou do individualismo absoluto ou do autoritarismo do legislador, que pode ser, por exemplo, um Estado forte.
Bento XVI certa vez afirmou que vivemos num tempo em que a Igreja deve ajudar a humanidade não somente a crer, mas também a pensar. Caso contrário, corremos o risco de inviabilizar a convivência pacífica entre pessoas e povos em nome de um relativismo exacerbado e eivado de individualismo. O Papa Francisco, num discurso ao corpo diplomático acreditado junto à Santa Sé, lembrou que “sem a verdade, não há verdadeira paz. Não pode haver verdadeira paz, se cada um é a medida de si mesmo, se cada um pode reivindicar sempre e somente os direitos próprios, sem se importar ao mesmo tempo do bem dos outros, do bem de todos, a começar da natureza comum a todos os seres humanos nesta terra”. O problema da lógica do “meu corpo, minhas regras”, é que ela inviabiliza o diálogo e, para combater um preconceito, gera uma infinidade de outros. É preciso pensar um pouco mais.

Fonte: Jornal Testemunho de Fé, pág. 14