Curso para Catequistas da Catequese Especial

Curso para Catequistas da Catequese Especial

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Testemunhas da Luz


Por conseguinte, preparemo-nos para o Natal com humildade e simplicidade, dispondo-nos a receber o dom da luz, da alegria e da paz, que se irradiam deste mistério. Acolhamos o Natal de Cristo como um acontecimento capaz de renovar hoje a nossa existência. O encontro com o Menino Jesus faça de nós pessoas que não pensam unicamente em si mesmas, mas que se abram às expectativas e às necessidades dos irmãos. Desta maneira, tornar-nos-emos também testemunhas da luz que o Natal irradia sobre a humanidade. Peçamos a Maria Santíssima, tabernáculo do Verbo encarnado, e a São José, silenciosa testemunha dos acontecimentos da salvação, que nos transmitam os sentimentos que eles nutriam enquanto esperavam o nascimento de Jesus, de modo que possamos nos preparar para celebrar santamente o próximo Natal, no júbilo da fé e animados pelo compromisso de uma conversão sincera.
(Papa Bento XVI)

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Verdadeiros Guerreiros da Inclusão



Um grupo de pessoas engajadas na luta pela inserção social e pelo cumprimento de seus direitos. Esses verdadeiros guerreiros da inclusão compõem a Pastoral da Pessoa com Deficiência, que na última quarta-feira, 7 de dezembro, realizou o II Seminário de Inclusão Social, na Sede da Arquidiocese do Rio de Janeiro, que contou com a presença do Bispo Auxiliar, Dom Antônio Augusto.


Através do tema “Teologia da Inclusão, Desafios e Caminhos Possíveis”, o encontro buscou debater sobre os avanços, as conquistas e os desafios da pessoa com deficiência. As quatro áreas da Arquidiocese que lidam com deficiências também participaram: Movimento Fraternidade Cristã de Deficientes, Pastoral da Pessoa com Deficiência, Pastoral dos Surdos e representantes do Fórum Permanente.


Diante da época de acolhimento representada pelo advento, Dom Antonio ressaltou a importância de acolher as pessoas com deficiência no âmbito da Igreja. Segundo ele, é preciso dar condições concretas de acessibilidade aos deficientes, mas principalmente um acolhimento espiritual:

“Quem vos recebe, a mim me recebe” (Mt, 10,40). Esse é o acolhimento que deve estar na parte mais profunda da espiritualidade das pessoas. Aqueles que possuem alguma deficiência, também os idosos, merecem um acolhimento muito maior, que é esse acolhimento da caridade, da atenção. Esse é o grande trabalho da Igreja, afirmou.


Dom Antonio incentivou os presentes a não desistirem diante das dificuldades e a acreditarem na Palavra de Deus:

”Às vezes as limitações nos colocam em uma esfera muito pequena, nos diminuem, mas nós estamos abertos à Palavra de Deus. (...) O pastor, e daí vem a palavra Pastoral, só exerce bem o seu pastoreio se ele souber também ser ovelha. E assim como Jesus conheceu as suas ovelhas, nós devemos conhecer bem as pessoas, viver em comunhão e nos aproximar das necessidades das pessoas.”


A palestra que se seguiu foi ministrada pelo jesuíta e membro do Fórum da Pessoa com Deficiência, Padre Geraldo Nascimento, da diocese de São Paulo. Ele abordou a igualdade dos deficientes na sociedade à luz da Teologia da Inclusão. Todo o conteúdo exposto na palestra foi traduzido em libras.


”Jesus não faz distinção entre as pessoas. Se eu penso que a deficiência é uma dificuldade, então eu não entendo a Pastoral da Pessoa com Deficiência. Não podemos olhar para a pessoa com deficiência com pena. Precisamos assimilar com o coração. Deus não olha as aparências”, ponderou Padre Geraldo, que também motivou os participantes e afirmou que o movimento das pessoas com deficiência já conseguiu muitas conquistas:
”Temos os direitos internacionais da pessoa com deficiência, o ano internacional da pessoa com deficiência e rampas de acesso na cidade. Mas esse é só o começo. Não podemos ser os últimos”.

Após a palestra, os presentes se reuniram em grupos para debater e trocar experiências. A coordenadora do Ministério do Acolhimento da Igreja São Paulo Apóstolo, Michelle Neves, afirmou que em sua Paróquia há um grande número de cadeirantes.

“Sempre que posso participo das reuniões da Pastoral da Pessoa com Deficiência. Na minha Paróquia temos um grande número de cadeirantes e estamos criando propostas para melhor atendê-los. Queremos visualizá-los”, afirmou.


Membro da Pastoral dos Surdos, Irmã Mercedes também deu o seu testemunho, que foi traduzido por uma intérprete:

“Antes, a Igreja tinha uma imagem muito fechada. Hoje, ela está mudando”, disse.

Agradecimento à Deus pela Pastoral

Após a palestra houve uma celebração, presidida pelo Assessor Eclesiástico da Pastoral da Pessoa com Deficiência, Padre Jayme Oliveira e concelebrada pelo Padre Geraldo Nascimento. A celebração foi inteiramente traduzida em libras e a homilia, em especial, foi traduzida pelo próprio Padre Jayme.

”Hoje é um dia de muita alegria, pois vemos que a Pastoral caminha. Esse é o caminho da Pastoral. Caminhar pouco a pouco e se tornar conhecida para que todos que se encontrarem com ela se sintam felizes”, afirmou.


Padre Jayme ressaltou ainda que a Pastoral da Pessoa com Deficiência deve ser um lugar para agregar a todos e agradeceu a Deus pelos trabalhos realizados esse ano pela Pastoral.


”A Pastoral deve se tornar um local de alivio, de descanso. Hoje, encontramos muito preconceito, dor e principalmente muitos problemas que nos afastam. Queremos sorrir, dar bom dia, chorar de saudade e não de tristeza. Deus é simples. Hoje, agradecemos a Deus pela Pastoral que Ele nos entregou. A festa do coração é a festa do coração de Deus”, pregou.


Pastoral da Pessoa com Deficiência

Os trabalhos visando a pessoa com deficiência começaram com a Campanha da Fraternidade de 2006, que abordou o tema “Fraternidade e Pessoa com Deficiência”. Segundo a membro do grupo gestor da Pastoral, Sheila Melo, diante do envolvimento de tantas pessoas, a atuação não parou por ai:


”Sentimos a necessidade de continuarmos trabalhando o tema, assim como as questões da pessoa com deficiência”, explicou Sheila.


A partir daí foi criado o Fórum Permanente da Pessoa com Deficiência, como um espaço para discutir os direitos dos cidadãos, as políticas públicas e partilhar experiências em todas as deficiências. Com o fortalecimento dos trabalhos do fórum nasceu a Pastoral da Pessoa com Deficiência. Há um ano atrás, em outubro de 2010, a Pastoral ganhou uma sala fixa na Sede da Arquidiocese do Rio de Janeiro, localizada no 3º andar do Edifício João Paulo II.


”Antes, a Igreja tinha trabalhos pontuais com os deficientes, como a Pastoral dos Surdos e a Catequese Especial. A Pastoral da Pessoa com Deficiência vem agregar essas deficiências e outras também. Hoje completamos um ano de fundação. Ainda sentimos que é um trabalho inicial, mas Graças a Deus sentimos a Igreja muito mais próxima e envolvida com essas questões”, pontuou Sheila.


As reuniões da Pastoral são mensais, nas primeiras quartas-feiras. O telefone para contato é o 2292-3132 – Ramal 250.

Fonte: Portal da Arquidiocese

Confraternização da Pastoral dos Surdos

A Pastoral dos Surdos realizará a confraternização das comunidades de surdos da arquidiocese, neste domingo, dia 11 de dezembro, na Comunidade Bom Jesus da Penha, a partir das 14h. A missa será presidida pelo assessor espiritual da pastoral, padre Jayme de oliveira, às 16h.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Indicação de leitura


Capazes e Crer e Amar
S. Paulo, Paulus, 2003, 31 p.

WARGAS, Sandra de Carvalho e SILVA, Maria Carolina Marques

Uma advogada e uma química escreveram um pequeno manual para catequistas que se ocupam com deficientes mentais. O objetivo é preparar os deficientes para os sacramentos da iniciação cristã, a fim de que saibam quanto Deus os ama.

A 1ª parte trata dos aspectos sociais do deficiente, seus direitos, da legislação brasileira e do quadro de discriminação.

A 2ª parte traz o foco para a Igreja: a necessidade de uma catequese especial, o perfil do catequista e o acesso à vida sacramental.

As autoras trabalham na Paróquia de Santo Afonso, no Rio de Janeiro.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Rótulo não!


Rótulo é bom para bebidas, alimentos, coisas. Ele permite identificar e saber o que se está comprando. Mas para pessoas não.

Cada ser humano é único. Isto é fácil de perceber, mas difícil de aceitar.

Não se podem formar esteriótipos com relação ao deficiente mental (DM). Como qualquer pessoa, eles têm deficiências mas também eficiências. E são estas eficiências que não sabemos perceber, que devemos detectar e desenvolvê-las ao máximo.

Os fins da educação são os mesmos para qualquer pessoa. É necessário que se proporcione ao DM as mesmas oportunidades e o mesmo tempo que aos demais.

A antiga ideia que deveriam ser trabalhados, preponderantemente, através de meios visuais não é mais aceita. Isto não significa que devemos abandonar tais meios, mas não nos limitarmos tão somente a eles. Provou-se que excluindo tudo à respeito do pensamento abstrato, não só prejudica uma incapacidade natural, mas na realidade, consolida tal incapacidade.

Já sabemos que o cérebro é um sistema aberto, de grande plasticidade, e como tal, pode servir a novas funções. A aprendizagem é contínua e provocadora de desenvolvimento. Não podemos esperar o "amadurecimento" para oferecer o conhecimento.

O Papa João Paulo II em sua Exortação Apostólica, referindo-se ao DM, disse que ele tem o direito de conhecer, como todo batizado o mistério da fé, tendo assim um lugar no banquete do Senhor.
Maria Luci Gameleira Curi

terça-feira, 14 de junho de 2011

JORNADA DA CATEQUESE ESPECIAL


ATENÇÃO, TODOS OS CATEQUISTAS DA CATEQUESE ESPECIAL ,

participem da:

JORNADA DA CATEQUESE ESPECIAL
sáb 25 jun
08h-12h30
Paróquia Divino Espírito Santo
Rua Felipe Camarão, 12, Maracanã

(em frente à UERJ)

Não é necessária prévia inscrição e o lanche será partilhado, OK?!
Até lá!

terça-feira, 26 de abril de 2011

V Seminário Nacional de Catequese junto à pessoa com deficiência


Centro de Formação Santa Fé – São Paulo
25 a 27 de março de 2011
Tema: A Igreja e a pessoa com deficiência
Lema: “Levanta-te e anda.” (At 3,6 )


Seminário elaborado por um grupo de trabalho capacitado e coordenado pela Comissão Episcopal Pastoral para animação Bíblico-Catequética da CNBB. A Arquidiocese do Rio de Janeiro, participou com 9 representantes. Pela Catequese Especial estiveram presentes as assessoras arquidiocesanas, Myriam Cataldo e Rosali Vila Real da Costa Barros. A programação constou das seguintes mensagens:

1. Apresentação da caminhada da catequese junto à pessoa com deficiência a partir dos Seminários já realizados (1998-Rio de Janeiro, 2002, 2004, 2006) - Dom Wilson, Bispo de Limeira, São Paulo.

2. Caminhada da Igreja a partir da Campanha da Fraternidade. Avanços e desafios – Amélia e Tuca Munhoz. Solicitaram maior conscientização de toda a comunidade eclesial para maior atendimento físico, material, psicológico e afetivo ao deficiente.

3. A pessoa com deficiência na sociedade – Carmem Ventura, Psicóloga da UNICAMP, trabalha com pessoas com Síndrome de Down - interessante sua apresentação, partindo da Antiguidade até o séc.XXI. Situou a inclusão como ponto relevante para o desenvolvimento do deficiente como pessoa.

4. A pessoa com deficiência e sua inclusão na Igreja – Pde. Geraldo Labarrere, de Goiânia.

5. Chamado da Bíblia para a pessoa com deficiência – Mathias Grenzer, Teólogo, de São Paulo – Falou sobre os milagres de Jesus segundo o Evangelho de Marcos: A importância da proximidade com Jesus .

6. Políticas públicas e pessoas com deficiência - Tuca Munhoz.

7. Testemunhos de dois casais, portadores de deficiência.

Sobre deficiência mental foi dado depoimento do Movimento Fé e Luz Nacional, de São Paulo. No último dia, reuniram-se grupos específicos de catequistas para troca de experiências e propostas de ação junto às pessoas com deficiência, grupo tão querido de Jesus, nosso salvador.

terça-feira, 22 de março de 2011

MISSA DE ENVIO

Vejam só que lindas as fotos da Missa de Envio da Catequese Especial da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. Ela foi celebrada no domingo, dia 21/03 às 10h, na Paróquia N.S. da Paz no Vicariato Sul, pelo Monsenhor Manuel, Vigário Episcopal do Vicariato. Foi um momento de muita fé e alegria para os catequistas e todos os presentes.










quinta-feira, 17 de março de 2011

É sempre bom lembrar algumas informações sobre a Catequese Especial


Costuma-se ouvir de pessoas que conhecem a Catequese Especial , a seguinte frase: "Que bonito, você trabalha com aqueles doentinhos?".

Muitas pessoas ainda se referem às pessoas portadoras de deficiência mental como doentinhos, coitadinhos... e aos catequistas, como super-heróis. O diminutivo (doentinhos) talvez seja para amenizar o termo utilizado, mas demonstra condição de superioridade de quem o empregou.

Quem tem um ente querido portador de uma deficiência, o tratamento incomoda muito.
Em competições esportivas que alguns participam, constatamos a invejável saúde de muitos.

Doenças? Todos nós podemos adquirir. FRÁGEIS PARA ENFRENTAREM ESTE MUNDO DOS INTELECTUALMENTE MELHORES, sim.

Cristo nos ensina que os pequeninos são filhos prediletos do Pai e, portanto, merecem de nós, não piedade, mas acolhida e oportunidade. Como todo batizado, tem o direito de participar do banquete do Senhor. Infelizmente muita gente não percebe suas potencialidades e não as desenvolvem. Uma delas é amar e perceberem quando são amadas e não piedosamente aceitas.
Somos todos filhos prediletos do mesmo Pai , para quem somos únicos e insubstituíveis.

Maria Luci Gameleira Coordenadora de Catequese Especial da Paróquia Santo Afonso

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Fique sabendo!

PASTORAL DOS SURDOS

Paróquias e horários de Missas/Catequese com interpretação em LIBRAS:
  • Nossa Senhora de Coapacabana (Copacabana) - domingos, 16h00
  • Santa Margarida Maria (Lagoa) - 1º domingo do mês, 09h00
  • Imaculado Coração de Maria (Méier) - domingos, 17h00
  • Bom Jesus (Penha) - domingos, 09h00
  • Santo Antônio (Pavuna) - domingos, 08h30

Formação Teológica e Catequética para agentes e catequistas surdos:
Pequena Cruzada - Av. Epitácio Pessoa, 4.288, Lagoa.
Último domingo do mês, 09h00

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Fique sabendo!

PASTORAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Edifício João Paulo II
Rua Benjamin Constant, 23, sala 303 - Glória
Rio de Janeiro / RJ
Telefone: (21) 2292-3132 - ramal 250
Assessor: Pe. Jayme Henrique de Oliveira
Expediente: de 09h00 às 17h00
  • Curso de LIBRAS
  • Apoio e encaminhamentos (áreas de surdez, cadeirante, visão e outras)

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Uma boa mensagem para este início de ano

NECESSIDADES ESPECIAIS

Há alguns anos atrás, nas Olimpíadas Especiais de Seattle, nove participantes, todos com deficiência mental ou física, alinharam-se para a largada da corrida dos 100 metros rasos.
Ao sinal, todos partiram, não exatamente em disparada, mas com vontade de dar o melhor de si, terminar a corrida e ganhar. Todos, menos um garoto, que tropeçou no asfalto, caiu rolando e comçou a chorar.
Os outros oito ouviram o choro. Diminuíram o passo e olharam para trás.
Então eles viraram e voltaram. Todos eles. Uma das meninas, com Síndrome de Down, ajoelhou, deu um beijo no garoto e disse: "Pronto, agora vai sarar".
E todos os nove competidores deram os braços e andaram juntos até a linha de chegada.
O estádio inteiro levantou e os aplausos duraram muitos minutos. E as pessoas que estavam ali, naquele dia, continuam repetindo essa história até hoje.
Porquê?
Por que, lá no fundo, nós sabemos que o que importa nesta vida mais do que ganhar sozinho, é ajudar os outros a vencer, mesmo que isso signifique diminuir o passo e mudar de curso.

(Autor desconhecido)